Rotina de limpeza de canais escancara problemas no descarte do lixo doméstico

Propaganda

A água que alaga as ruas de Salvador no período das chuvas traz à superfície todo o lixo acumulado nos sistemas de microdrenagem e macrodrenagem. Isso acontece por conta do descarte irregular realizado, muitas vezes, pela própria população, que sofre com os alagamentos. Sofás, carcaças de geladeiras e até de carros já foram encontrados por agentes da Secretaria de Manutenção (Seman) durante limpeza e dragagem de canais na cidade.

Essas surpresas infelizes encontradas pelas equipes de rua já não causam espanto em Luciano Sandes, diretor de Manutenção da Infraestrutura da Seman. Ele e seus agentes já tiveram que enfrentar, diversas vezes, como conta, com a busca por esses objetos. “Os resíduos sólidos presentes são diversos, desde o comum, doméstico, geralmente acondicionados em sacos plásticos, até resíduos de maior porte”, afirmou.

Ele explicou que, geralmente, esse lixo é arremessado nos canais pela parcela da população que mora à margem desses locais. “Isso estrangula a sessão hidráulica do canal. A água vem para um canal de largura maior e, de repente, ela é estreitada por esses objetos descartados irregularmente, o que causa a retenção da vazão, resultando em alagamentos”, conta.

Operação – A Operação de Limpeza dos Rios, Córregos e Canais, da Seman, tem como objetivo garantir o pleno funcionamento do sistema de drenagem em Salvador. Já foram limpos pelas equipes da pasta, somente neste primeiro trimestre de 2019, 27 canais, em cerca de, aproximadamente, 8 mil metros de serviço executado.

Em todo o ano passado, 63 canais foram limpos na capital baiana, em mais de 33 mil metros de serviço executado. As equipes da Seman atuam principalmente na microdrenagem, a exemplo dos serviços de desobstrução de boca de lobo; recuperação do sistema de drenagem; Operação Tapa-Buraco; substituição de grelhas e placas de concreto; além de poda de árvores e coleta de galhos caídos.

Durante o período das chuvas, a Seman mantém atuação integral dos serviços, com reforço contingencial do efetivo escalado em plantões de 24 horas, direcionando todas as suas equipes para as demandas emergenciais geradas pelas chuvas ocorridas em Salvador.

A operação conta com um contingente provisionado de aproximadamente 145 agentes operacionais, efetuando os serviços de campo, em uma equipe técnica composta por engenheiros civis, ambientais, agrimensores e agrônomos, arquitetos, técnicos agrícolas e em edificações, além de fiscais e encarregados.

SECOM

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: