Cientistas pesquisam por quanto tempo Covid-19 pode sobreviver no ar

A principal pergunta que os cientistas de todo o mundo estão tentando responder é: por quanto tempo o  novo coronavírus pode sobreviver fora do organismo humano? Em um laboratório de alta segurança perto de Bristol, na Inglaterra, cientistas podem levar semanas para chegar a um resultado

Na próxima segunda-feira (28), eles vão começar a lançar pequenas gotas de Sars-CoV-2 vivo e levitá-las entre dois anéis elétricos para testar quanto tempo o vírus transportado pelo ar permanece infeccioso em diferentes condições ambientais.

Até agora, esperava-se que a Covid-19 fosse transmitida, predominantemente, em gotículas respiratórias, produzidas quando uma  pessoa infectada tosse, espirra, canta, fala ou respira. Estes caem rapidamente no chão, fornecendo a lógica por trás da regra de distanciamento dos dois metros .

Ainda assim, entre os especialistas, há um consenso crescente de que o vírus é capaz de permanecer em gotículas menores chamadas aerossóis, que podem ser transportadas por distâncias maiores nas correntes de ar e se acumular em espaços mal ventilados. Essa suspeita se baseia, principalmente, em surtos em restaurantes e corais, onde pessoas contraíram o vírus apesar de estarem a certa distância dos infectados.

O material genético do vírus também foi detectado em lugares mal ventilados , como banheiros de hospitais – mas ninguém ainda identificou vírus infecciosos vivos em amostras de ar, segundo Jonathan Reid da Universidade de Bristol, líder da nova pesquisa. “Sabemos que, quando bactérias ou vírus se propagam pelo ar em gotículas respiratórias, eles secam muito rapidamente e podem perder a viabilidade, então essa é uma etapa importante para entender ao avaliar o papel da transmissão aérea da Covid-19 .”

Durante décadas, os cientistas usaram recipientes selados chamados tambores de Goldberg para investigar por quanto tempo os vírus podem sobreviver em gotículas de aerossol. O vírus é espalhado no tambor, que gira para manter as gotículas no ar, e as amostras são removidas em intervalos regulares e testadas para vírus vivos. Usando este método, pesquisadores americanos estimaram que o Sars-CoV-2 ainda pode ser detectado após três horas, quando o experimento terminou.

No entanto, essas estimativas são imprecisas , devido ao tempo que leva para espalhar o vírus no tambor e à grande quantidade de fluido usado, que não replica com precisão o que acontece quando tossimos ou respiramos.

Em vez disso, os pesquisadores de Bristol desenvolveram um aparelho que lhes permite gerar qualquer número de partículas minúsculas contendo vírus – invisíveis a olho nu – e levitá-las suavemente entre dois anéis elétricos por qualquer coisa de segundos a horas ou dias. A temperatura, a umidade e a intensidade da luz ultravioleta do ar circundante são rigidamente controladas e podem ser manipuladas para reproduzir vários cenários do mundo real.

“Podemos simular com eficácia um inverno britânico frio e úmido – ou mesmo um verão quente e seco na Arábia Saudita – para ver como essas diferenças dramáticas nas condições ambientais afetam o tempo que o vírus permanece infeccioso enquanto está suspenso no ar “, disse Allen Haddrell, químico da Universidade de Bristol que projetou e construiu o aparelho, chamado Celebs (levitação eletromagnética controlada e extração de bioaerossol em um substrato) usando impressoras 3D.

Os três Celebs se parecem com robôs pequenos e coloridos, e estão alojados dentro de um gabinete de plástico lacrado, em um laboratório de nível três de contenção, projetado para lidar com germes que causam doenças humanas graves. Eles foram jocosamente chamados de Bumblebee, Megatron e Optimus Prime, em homenagem aos brinquedos Transformers dos anos 1980 – embora seu propósito seja incomensuravelmente mais sério.

A equipe está recebendo financiamento do UK Research and Innovation e do National Institute for Healthcare Research, enquanto o governo dos EUA também expressou interesse em exportar a tecnologia para estudar outros patógenos.

Até agora, a equipe vinha praticando aerossóis de levitação contendo um coronavírus de camundongo, que é inofensivo para humanos. Aqui, eles observaram uma grande queda na infecciosidade nos primeiros 10 minutos após a suspensão do vírus. “Também vimos que a 10ºC, esse vírus de rato sobrevive muito mais tempo do que em temperaturas mais altas”, diz Haddrell.

Na segunda-feira, eles começarão a levitar Sars-CoV-2 ao vivo pela primeira vez, o que significa que eles podem ter os resultados iniciais no final da semana . Estes serão disponibilizados aos formuladores de políticas e submetidos à revisão por pares em revistas científicas.

Fonte: iG 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: