Ferry-boat: Usuários totalmente desassistidos

Algo bastante corriqueiro sem precedentes é o que é visto pelos usuários do sistema ferry-boat, não faz diferença para aqueles que viajam com veículos ou viajam como pedestres, o descaso e a falta de compromisso para com o cliente é o mesmo, não existindo nenhuma boa relação por parte da empresa no que se refere ao cumprimento de horários, a venda de passagens e nem tão pouco o compromisso com os protocolos exigidos em tempo de pandemia, mas vamos por partes.

Hora marcada

Usuários de hora marcada do sistema ferry-boat para veículos reclamam diuturnamente da falta de cumprimento dos horários, muitas vezes com atrasos que chegam até a 30 minutos, por outro lado na dificuldade de acesso ao sistema de compra que sempre está indisponível ou quando disponível não se encontra passagem, por outro lado a empresa tem um agendamento pelo SAC, porém segundo reclamações de usuários o mesmo não funciona.

Prioridades

Essa então o sofrimento é muito grande, segundo o setor de transporte da empresa a porcentagem para cada navio com os casos de prioridades em veículos segue a determinação federal que é de 10% ou seja em navio com capacidade de 45 veículos viaja cinco veículos de prioridade, navios com a capacidade de 150 veículos viajam 15 prioridade, segundo a coordenação de transporte essa é uma regra a ser cumprida, porém o que se vê são reclamações constantes de pessoas que chegam na fila de prioridade a exemplo das 10:00 horas da manhã e só conseguem embarcar às 14:00 horas, sem nenhuma explicação da gerência de embarque de ambos terminais, São Joaquim e Bom Despacho.

Convencionais

Estes então não sabem mais a quem recorrer, pois a cada dia que passa se torna mais difícil chegando em tempo médio de espera para embarque de 3:00 horas, o que quer dizer na realidade entre a espera para embarcar e a viagem propriamente dita, o que equivalente há 4 horas para uma travessia, se necessário for um bate-volta ele perde 8:00 horas, sem se falar no mau atendimento promovido pelos colaboradores da referida empresa que detém a concessão para o sistema.

Pedestres

Esses então o sofrimento é muito grande desde quando tem que se viver uma situação bastante constrangedora na hora do embarque ou desembarque de ambos terminais já que as passarelas de embarque não funcionam nos dois terminais, tanto de São Joaquim quanto Bom Despacho, na realidade não existem estão somente como enfeite em cada terminal deixando então os usuários se estiver chovendo tomando chuva e se tiver fazendo sol com o ‘sol na cabeça’ para embarcar ou desembarcar, essa é a demonstração da correlação entre empresa e usuários colocando a vida desses usuários em risco, pois os mesmos fazem esse percurso dividindo espaço com os veículos, esses por sua vez constantemente sofrendo por esse divisão de espaço, sem falar que a aglomeração na hora da entrada e na hora da saída de cada embarcação é totalmente visível, a demonstração que a empresa não cumpre com os protocolos para a erradicação da pandemia.
Fatos como esses precisam ser avaliados pela empresa que detém o serviço para que se possa fazer algo de melhor para os usuários, pois afinal quem paga a conta são eles e não tem um mínimo de conforto ou até mesmo de respeito por parte da empresa que diga-se de passagem cobra um preço bastante elevado, tanto para pedestres, como para veículos, sem se falar na taxa extra para hora marcada de veículos, não esquecendo dos relatos de furtos e assaltos dentro das embarcações.

Visão Cidade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: