Vitória empata com a Chapecoense em casa e termina rodada no Z4

Não foi o melhor dos mundos… Mas também não foi o pior. Para quem pensava que o Vitória não teria chances contra a Chapecoense, que briga pelo título da Série B, um recado importante: o Leão evoluiu muito, teve uma boa atuação e empatou em 0x0 no Barradão.

O problema é que o pontinho conquistado não muda em nada a situação do rubro-negro na tabela, que pela primeira vez termina uma rodada no Z4. Ao final desta 35ª rodada, é o 17º colocado, com 39 pontos. É a mesma pontuação de Náutico, 16º, e Figueirense, 15º, mas que possuem uma vitória a mais no critério de desempate.

O que colocou o Vitória pela primeira vez na zona de rebaixamento foi a vitória do Figueirense na sexta-feira (15), que bateu o Brasil de Pelotas por 3×0 e deixou o Z4. O Náutico perdeu perdeu por 2×0 para a Ponte Preta também neste domingo e ficou estacionado nos 39 pontos. Por conta desse cenário, só os três pontos tiraram o Leão da zona.

O técnico Rodrigo Chagas foi forçado a mudar a equipe minutos antes do apito inicial. Vico, vice-artilheiro rubro-negro na Série B com quatro gols, apresentou sintomas gripais na concentração e foi afastado ainda por precaução pelo departamento médico.

Essa foi a penúltima partida do rubro-negro no Barradão nesta temporada. Na sequência da Série B, o Vitória visita o Guarani em Campinas, na quarta-feira (20), às 16h. Depois, na terça-feira (26), às 21h30, se despede do seu estádio contra o Botafogo-SP.

LEÃO MELHOR

Rodrigo lançou uma formação inovadora. Colocou dois laterais na esquerda, com Leocovick e Rafael Carioca, e reforçou a marcação no meio-campo com Lucas Cândido. As mudanças em relação à partida anterior surtiram efeito positivo. O Leão marcou muito bem os ataques da favorita Chape, que praticamente não incomodou na etapa inicial.

Mas a equipe catarinense tem como ponto forte a defesa. Com linhas de quatro jogadores na entrada da área, o time criou uma barreira que o Leão não conseguiu penetrar. Foi o rubro-negro quem criou mais nos primeiros 45 minutos de jogo, mas sempre com chutes de fora da área.

Aos três, Léo Ceará chutou e a bola raspou a trave. Aos dez, foi a vez de Thiago Lopes arriscar e João Ricardo defender. Aos 20, Van cortou para o meio e chutou forte também perto do gol.

No geral, o Vitória dominou mais a posse de bola e ocupou mais o campo de ataque. A única chance clara da Chape veio aos 40, quando Roberto cruzou rasteiro da esquerda e Anselmo Ramon chutou torto, por cima do gol. A melhor chance acabou sendo do Leão. Aos 47, João Victor subiu sozinho na área e desviou escanteio para fora.

DESFALQUES ATRAPALHARAM

Não bastasse ter perdido Vico minutos antes do apito inicial, o Vitória ficou sem Léo Ceará logo após o intervalo da partida. O camisa 9, artilheiro do Leão na Série B e vice-artilheiro da competição com 14 gols, pediu para ser substituído por conta de uma lesão. Minutos depois, Thiago Lopes também deixou o campo com dores.

Se já foi difícil para o Leão entrar na área no primeiro tempo, sem o seu centroavante a tarefa foi ainda mais árdua. A segunda etapa começou com a Chape dando um susto: aos sete, Aylon subiu na área e cabeceou para belíssima defesa de César. No rebote, Anselmo Ramon tentou e o goleiro brilhou de novo.

Mas o Vitória logo equilibrou o duelo. E o segundo tempo acabou sendo muito fraco tecnicamente, com as duas equipes produzindo muito pouco. Rodrigo até tentou lançar o seu time ao ataque, colocando Dudu, Marcelinho e Alisson Farias, mas a grande chance criada foi uma cabeçada aos 16 minutos de Lucas Cândido, para fora.

Aos 43, Derlan recebeu o segundo cartão amarelo e deixou a Chapecoense com um atleta a menos. Mas, no que seria a deixa para o Vitória pressionar e abrir o placar, Matheus Frizzo acabou se machucando e atuou no sacrifício, já que o Vitória já tinha feito todas as substituições.(Correio)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: