Itaparica: Visão Cidade entrevista Gledson ‘o cadeirante’

O site Visão Cidade através da sua redação entrevista pré-candidatos a vereadores no município de Itaparica, tudo isso com o intuito de levar ao conhecimento da população os nomes que hoje estão em ascendência para o pleito de 2020, sobretudo esse é o compromisso que sempre o nosso veículo tem que é de levar a informação para todos, então você eleitor poderá conhecer melhor quem são os candidatos.
Veja abaixo a entrevista ;

1. Quem é Gledson ‘o cadeirante’?

Resposta: Sou Cledson o cadeirante, filho de uma lavadeira criado numa circunstância em que não tínhamos tantas tecnologias e com isso vivemos uma vida mais próxima das pessoas em momentos em que talvez hoje essa pandemia esteja gerando essa possibilidade de estar mais perto do vizinho da vizinha e de se conhecer um pouco mais as pessoas longe dessa ampla movimentação que o mundo passa e que hora temos esse novo ensinamento que para nós já é antigo mas para que a juventude atual seja algo novo.

2. Você é pré-candidato a vereador por Itaparica?

Resposta: Sim

3. Qual o partido e por que esse partido?

Resposta: Estou no partido solidariedade e fui para o partido exatamente por causa dessa nomenclatura não consigo enxergar a política sem que ela seja feita de uma forma solidária onde nós estejamos com as mãos unidas em proteger a vida a dignidade, a cabeça do meu partido hoje do grupo que estou Zezinho da Politur defendo a candidatura dele por buscar renovação para cidade buscar um novo modelo de investimento de captação e consequentemente de melhorias para a população principalmente as populações em maior estado de vulnerabilidade.

4. Como vê a educação e a saúde em Itaparica?

A educação do nosso município não é uma educação ainda que atenda aos princípios dos direitos básicos previstos, o modelo educacional de Itaparica deixa ainda muita coisa para ser vencida precisando de uma escola interativa precisando de uma escola que esteja mais ligada a sua comunidade não para fazer dos alunos um instrumento de preenchimento das atividades políticas fazer da escola um espaço onde a comunidade possa ter participação mais ampla principalmente nos finais de semana quando a escola está hipoteticamente fechada deveria estar aberta garantindo acesso das pessoas para poderem desenvolver atividades lúdicas recreativas que com isso complementar os currículos das crianças e dos alunos que lá existem,

A saúde em Itaparica hoje para mim não está em situação confortável do como exemplo o posto do Marcelino que foi inaugurado há um ano e de lá para cá perdão a 1 ano e de lá para passou por uma reforma e agora está precisando de outra reforma e dessa vez uma reforma muito mais ampla muito mais profunda quase que digamos um refazer da estrutura da mesma forma tá o posto do porto de Santos que está totalmente destruído precisa ser fechado para poder ser transformado ser reconstruído por que está totalmente danificado.

5. Como vê Itaparica pós-pandemia?

RS: Itaparica pós pandemia será a Itaparica tenho infelizmente notícias péssimas, hoje já temos uma queda real do Royalties de quase 80% pelos queda não sei dizer em números né mas temos que horas já no SPM teremos redução do FUNDEB por conta de diversos aspectos temos redução em diversos setores de impostos que alimentam a as contas do município, ou seja um caminho para poder sanar esse problema no futuro que não que não é um caminho difícil de seguir mas infelizmente tendo a gestante nós temos no município hoje que a gente vem tentando sobre essa possibilidade mesmo a gente pandemia que é a relação com o povo a população precisa ser mais participe precisa estar ajudando a contribuir na construção de um município melhor e nós munícipes nós estamos comuns no futuro né quando essa pandemia melhorar teremos o papel fundamental nisso porque muito do que muito do que está se vendo hoje sendo perdido no município e ausência de recurso para fazer novos investimentos mas vê a necessidade da parceria com a população nada poderá ser feito se não houver a presença do cidadão porque para contratar novos funcionários será difícil porque não terá dinheiro para investir em empresas que cobram valores exorbitantes para poder administrar gerenciar essas obras será difícil então só nos resta tentar otimizar os recursos poucos que temos em mãos dando a comunidade a possibilidade dela ser altos gerida auto-sustentada garantindo a ela participação do processo de construção

6. Como você vê a atual gestão municipal?

RS: A gestão eu vejo uma gestão distante da população com muita dificuldade de diálogo por que ao longo desses últimos anos de gestão esses quatro anos de gestão a pessoa que lá está ela conseguiu destruir todos os laços que foram construídos ao longo de 2008 e 2012 talvez o ápice dessa gestão foi em 2012 quando ali e o particularmente eu era a funcionado apaixonado pelo modelo e pela proposta que a gestão tinha para aquela época em 2016 vimos um modelo político nascer que já não mais era um encanto e sim um início de uma ação terrorista porque conseguiu quebrar todos os vínculos construídos com a população imaginávamos uma gestão democrática uma gestão onde a população pudesse ter uma participação mais ampla onde nós pudéssemos contribuir de fato para que Itaparica avançasse para um novo modelo de gestão mas infelizmente percebemos foi uma forma singela subjetiva e destruir as vozes do cidadão que são os conselhos temáticos exemplo do conselho da Saúde a exemplo das cidades e diversos outros conselhos que são necessários para fazer as políticas a implementação das políticas na cidade com ela só acreditar.

7. Você acredita em uma mudança da Câmara de Itaparica?

RS: Mudança da Câmara de Itaparica eu só vejo essa mudança acontecer se nós tivermos 90% desse quadro alterado não dá mais para viver com esses vereadores fisiologista vereadores que não tem um olhar angular não tem um olhar focado nos interesses da cidade e nós temos centenas de exemplos do quão são individualistas do quão são voltados para o universo do quão criam Barreiras para inviabilizar a participação ativa e efetiva da população no contexto de contribuírem com legislações hoje temos uma câmera de vereadores totalmente desconhecedor da realidade da cidade não conhece o perfil epidemiológico não tem capacidade de fazer uma resumido ou um diálogo com maior afinco com relação ao PDDU não tem não tiver nenhum interesse de fazer a lei orgânica municipal se rejuvenescer pois ela precisa ser revista a mais de 10 anos o regimento interno da casa também é outra matéria que deve ser deveria ter sido discutida de forma ampla para poder garantir ao povo maior democracia e mais transparência e São tantos as discussões que precisar ao longo dessa gestão e digestões outras porque muitos que estão já pertenceram outras gestões mas que não renovar em nada pelo contrário são pessoas que olham somente para os seus interesses que eu lembrasse e o vereador ele tem que ter como percepção a realidade do cidadão em sua cidade como um todo e exatamente nesse contexto que estarei estou me colocando a disposição sou pré-candidato exatamente por acreditar que eu tenho como contribuir o vereador não tem que ter o papel somente de trazer para o município ônus de ficar dizendo que quer que asfalte uma rua quer que faça isso iluminação aquilo outro quando a gente defende um partido quando a gente defende uma legislatura como é o caso do que estou fazendo eu já tenho meu planejamento e e ter meu compromisso assumido e o voz da capitania para o meu Prefeito para os estudos dessa cidade porque eu quero que o sentimento das pessoas com deficiência sejam sedimentos fortalecido e que tem acessibilidade que os jovens que hoje morrem no genocídio nas nossas comunidades carentes como é o caso de URBIS, Marcelino e Alto das Pombas e algumas outras dentro do município tem uma realidade diferente e para isso acontecer esses recursos para implementação de políticas e façam com que ele tem alternativa com que essas pessoas possam ter a certeza de que o município não está ausente nas suas vidas e que ele pode confiar sem precisar sair daqui para ir para Salvador ou sem precisar sair daqui para Santo Antônio de Jesus o que ele buscar para se qualificar naquele momento na vida dele que ainda é o básico ao município tem que apertar quando for o momento de ter um conhecimento mais detalhado mais amiúde na sua especialização aí sim mais uma vez o município dará o auxílio inicial e eu para que o cidadão possa ir à Salvador ou em qualquer outro lugar que tenha o nicho de profissionalização necessário que aquele indivíduo busca esse é o meu interesse em fazer política em Itaparica não tem outra visão a não ser que ser a não ser o avanço da cidade se hoje me dissessem que seria Vereador sem nada ganhar corgo estaria sentado na Câmara buscando interagir com a mesma dignidade com o mesmo fogo do qual eu coloco hoje em um estado de processo remunerativo.

Visão Cidade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: