Prefeitura inicia Semana de Mobilização Nacional de combate ao Aedes aegypti

A Semana Nacional de Combate ao Aedes aegypti em Salvador iniciou nesta segunda-feira (02) e segue até a próxima sexta-feira (06), com foco para a prevenção às quatro doenças causadas pelo mosquito: dengue, zika, chikungunya e febre amarela.

O Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) vai atuar em parceria com os órgãos do comitê de arboviroses da capita baiana: Secretaria Municipal da Educação, Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea-BA), Secretaria Municipal de Promoção Social e Combate à Pobreza (Sempre), Secretaria Municipal de Gestão (Semge), Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa), LIMPURB, Fiocruz, Corpo de Bombeiros, Defensoria Pública do Estado e Secretaria Municipal da Fazenda (Sefaz).

Entre as atividades programadas para a semana de estratégia estão inspeções vetoriais em praças, terreiros, hotéis e unidades de saúde; ação chaveiro com abertura de imóveis fechados com possíveis focos; inspeções em parques da embasa; mutirões de limpeza com a Limpurb; aplicação de inseticida e larvicida para eliminação de criadouros, além de ações educativas como panfletagem em locais de alta circulação de pessoas.

Durante toda a semana, os profissionais realizarão as ações em diversos bairros da cidade. “Estamos nos aproximando do período de maior risco que é a estação do verão. Nos meses de janeiro a abril, a estratégia reforçará a necessidade de uma rotina de eliminação de criadouros para aumentar a cobertura do município livre do vetor da dengue, zika e chikugunya”, afirma a coordenadora do CCZ, Andrea Salvador.

Haverá um dia D na sexta-feira (06) com evento de encerramento na praça de Irmã Dulce, na Cidade Baixa, com stands, atividades voltadas para crianças, no intuito de formar consciência sobre o combate ao Aedes desde cedo.

Índice de Infestação – O último Levantamento de Índice Rápido para o Aedes aegypti (LIRAa), realizado pela Secretaria Municipal da Saúde (SMS) revelou que a capital baiana apontou ainda que o Índice de Infestação Predial (IIP) no município teve uma redução em relação ao levantamento anterior realizado em julho desse ano, onde de 2,7% para 2,2%. Ou seja, a cada 100 imóveis visitados, aproximadamente dois apresentaram focos do mosquito.

Salvador reduziu também o número de bairros com alto risco endêmico, passando de 14 para 9 localidades com indicador acima de 4%.

ASCOM

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: