Paternidade tardia pode elevar risco de doenças para bebês e até grávidas

Propaganda

O senso comum costuma dizer que o homem pode ser pai sem problemas em idades mais avançadas. O ator George Clooney, por exemplo, se tornou aos 56 anos. O apresentador Serginho Groisman, aos 65. Mick Jagger, líder dos Rolling Stones, teve seu último filho aos 72.

Mas a ciência tem demonstrado cada vez mais que o relógio biológico também atinge as células reprodutoras masculinas e que, assim como acontece com as mulheres, a paternidade tardia tem seus riscos.

Em junho, um estudo apresentado no encontro anual da Sociedade Europeia de Reprodução Humana e Embriologia, em Viena, na Áustria, apontou que a contagem de espermatozoides, bem como a sua qualidade, diminui com o passar do tempo, especialmente a partir dos 51 anos.

Conduzido pelo Instituto de Saúde da Mulher da University College London, na Inglaterra, a pesquisa, tratada como uma mensagem de saúde pública para homens não postergarem deliberadamente a paternidade, analisou os registros de 4.271 indivíduos do sexo masculino envolvidos em 4.833 ciclos de tratamento de fertilização in vitro (FIV) e injeção intracitoplasmática de espermatozoides (ICSI) entre 2009 e 2018.

PROPAGANDA

Para a análise, eles foram subdivididos em grupos por faixas etárias: até 35 anos, 36 a 40, 41 a 44, 45 a 50 e mais de 51 anos – idades masculina e feminina inferior a 35 anos foram utilizadas como grupos de controle de referência para comparação.

A investigação mostrou que a taxa de gravidez diminuiu com o aumento da idade paterna, passando de 49,9% no grupo até 35 anos para 42,5% no 36-40; 35,2% no 41-45; 32,8% no 46-50, e 30,5% no mais de 51 anos.

Além disso, constatou que apenas 42% dos homens acima de 51 anos tinham contagem de espermatozoides dentro da faixa saudável – maior que 39 milhões no volume total ejaculado – definida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em comparação com 61% daqueles em faixas etárias mais jovens.

Efeitos negativos na saúde

Outro estudo, este realizado pela Escola de Medicina da Universidade Stanford, dos Estados Unidos, e publicado há alguns meses no periódico British Medical Journal (BMJ), concluiu que bebês nascidos de pais mais velhos estão mais suscetíveis a parto prematuro, baixo peso ao nascer e baixo índice de Apgar (escala que avalia frequência cardíaca, esforço respiratório, tônus muscular, reflexos e cor dos recém-nascidos).

O trabalho também apontou que as mulheres que têm filhos com homens de mais idade apresentam riscos maiores de desenvolver diabetes gestacional e pré-eclâmpsia (distúrbio da pressão arterial que ocorre a partir da 20ª semana de gravidez).

Com base nos dados do Sistema Nacional de Estatísticas Vitais, programa de compartilhamento de informações fornecidas pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças e pelo Centro Nacional de Estatísticas de Saúde dos EUA, os cientistas analisaram mais de 40,5 milhões de nascidos vivos no território americano entre 2007 e 2016.

Eles dividiram a idade média dos pais em cinco grupos etários: menores de 25, 25-34, 35-44, 45-54 e maiores de 55 anos, examinando as medidas de saúde infantil em cada uma dessas categorias.

Como resultado, observaram que bebês com pais acima dos 45 anos tiveram uma chance 14% maior de nascerem prematuramente, 18% maior de terem convulsões e eram 20,2 gramas mais leves na comparação com filhos de pais com idade entre 25 e 34 anos.

Também verificaram que a taxa de diabetes gestacional foi 34% maior nas grávidas com parceiros mais velhos.

Para Márcio Coslovsky, especialista em reprodução assistida e sócio-diretor da Clínica Primordia, do Rio de Janeiro, estes estudos ajudam a desmistificar que a paternidade pode acontecer facilmente em qualquer idade.

“Há muito tempo se percebe que os casais estão investindo na carreira e, por isso, adiam a gravidez para um segundo momento. Apesar de a preocupação recair mais sobre as mulheres, os homens apresentam uma piora a cada cinco ou dez anos na condição e na quantidade dos espermatozoides”, analisa o médico, membro da Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida (SBRA) e da Sociedade Europeia de Reprodução Humana e Embriologia (ESHRE).

Menor qualidade

Ele explica que, diferentemente das mulheres, que nascem com um número de óvulos para a vida toda e cuja fertilidade entra em declínio aos 35 anos e chega ao fim na menopausa, os homens produzem espermatozóides até morrer, só que, conforme o tempo passa, sem a mesma qualidade.

“Normalmente, isso já começa a acontecer aos 40 anos. A partir daí, a gravidez espontânea fica mais difícil e a taxa de sucesso das fertilizações cai”, acrescenta.

Temis Felix, presidente da Sociedade Brasileira de Genética Médica e Genômica (SBGM), comenta ainda que, nas mulheres, o envelhecimento aumenta a incidência de doenças cromossômicas nos bebês, como a síndrome de Down, enquanto, nos homens, é a de mutações genéticas.

Como exemplos ela cita acrondroplasia (uma das formas mais comuns de nanismo), neurofibromatose (causa múltiplos tumores no organismo) e síndrome de Apert (provoca desenvolvimento anormal do crânio).

“Possivelmente isso ocorre por conta de erros na replicação do DNA e/ou falha de correção de erros no DNA, já que, com a idade, vamos perdendo essas funções”, indica.

Outros problemas relacionados à paternidade tardia, relata Rachel Honjo, geneticista e membro do Corpo Clínico do Hospital Sírio Libanês, responsável pela Genética Médica no Núcleo de Pediatria, são maior tempo para engravidar, maior taxa de abortamentos, má formações congênitas e anormalidades cromossômicas.

“Alguns estudos também apontam para uma associação com câncer infantil e distúrbios do neurodesenvolvimento. Porém, o mecanismo pelo qual isso acontece ainda não é totalmente conhecido”, diz a médica.

Aconselhamento genético e congelamento de sêmen

Para que a gravidez seja tranquila e não haja preocupação em relação à idade, os especialistas recomendam que os casais busquem aconselhamento genético pré-concepcional, o que pode ser feito com a ajuda de ginecologista, urologista e geneticista.

“Os homens precisam ter a mesma atenção que as mulheres quando o assunto é ter filhos”, afirma Coslovsky. E, para os que pensam em adiar a paternidade, ele dá um conselho: congelamento de espermatozóides, serviço que, em sua clínica, teve um aumento de 68% entre 2010 e 2018.

“É um procedimento simples, muito mais do que o da coleta de óvulos, já que se consegue o material com a ejaculação apenas, e que pode ajudar e muito no futuro”, finaliza.(BBC)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: