Como nossos dentes podem ajudar a ciência

Propaganda

Depois de perder um dente ao cair enquanto brincava, a professora Tamiris de Souza Rodrigues, na época com 12 anos, recebeu atendimento na Faculdade de Odontologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Ao ser avaliada, os dentistas informaram à menina que o dente não poderia ser recolocado e seria substituído por um de resina.

“Os dentistas me explicaram, então, que eu poderia doar meu dente para pesquisas na universidade, e eu o doei”, lembra Tamiris.

O dente permanente da professora infantil foi para um Banco de Dentes Humanos, uma instituição sem fins lucrativos vinculada às universidades, que utilizam dentes humanos para desenvolverem estudos como parte de cursos de graduação, mestrado e doutorado.

“Inúmeras pesquisas utilizam dentes em seus estudos. As mais comuns são: endodontia (tratamentos de doenças e lesões da polpa dentária), dentística (odontologia estética e restauração), ortodontia (alinhamento dos dentes), odontopediatria, próteses e implantes”, explica o professor José Carlos Imparato, da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo.

“Nos dentes dos Bancos de Dentes Humanos, aprimoramos técnicas com os alunos e pesquisadores para tratar canais, testamos materiais, como as massinhas para cobrir buracos deixados por cárie e etc”, prossegue Imparato. “São graças às pesquisas com dentes cariados, por exemplo, que hoje é muito menos invasivo retirar uma cárie.

Atualmente, Tamiris é mãe de um menino de cinco anos que acabou de perder o primeiro dente de leite. Em vez de jogar o dente no lixo ou deixá-lo para a “fada do dente”, Tamiris mais uma vez doará o dente às pesquisas.

A iniciativa pode ser repetida por qualquer pessoa, explica Imparato – que é coordenador do BioBanco de Dentes da Faculdade de Odontologia da USP.

“Quaisquer dentes são aproveitados nos Bancos de Dentes Humanos tanto para a pesquisa como para o ensino: dentes sadios, restaurados, cariados, fraturados, permanentes ou decíduos (dentes de leite). Até o dente do siso serve para pesquisas e pode ser doado”, explica Imparato.

Além das pesquisas odontológicas, nos anos 1990 a comunidade científica mundial descobriu que a polpa dentária era rica em células-tronco e, desde então, os dentes também têm sido usados em pesquisas sobre regeneração óssea e doenças genéticas, como o autismo.

Doação de órgãos

No momento, o BioBanco da USP faz uma campanha nacional de doações de dentes de leite chamada O Endereço da Fada de Dente. Os dentes podem ser levados pessoalmente à Faculdade de Odontologia, em São Paulo, ou enviados pelo correio, acompanhados de um termo legal de autorização assinado pelo responsável do doador.

“Além de precisarmos desses dentes de leite para continuarmos nossas pesquisas, gostaríamos que as famílias estimulassem os filhos a doarem seus dentes e enfatizar a eles que isso é o mesmo que doar órgãos”, afirma Imparato. “Quem sabe um dia nós teremos uma geração mais sensível à doação de órgãos.”

Ao saber da campanha do BioBanco de dentes da USP, a jornalista Juliana Procópio lembrou que tem guardado um de seus dentes de leite há 20 anos. “Me surpreendi ao saber que, mesmo depois de décadas e sem armazenamento especial, o meu dente de leite ainda serve para as pesquisas”.

A mãe da jornalista é quem guardava os dentes de leite junto com outras lembranças da infância da filha, mas, tempos atrás, a mãe resolveu jogar os dentes de Juliana fora. “Eu fiquei com dó, apenas pela memória emocional, de ver os meus primeiros dentes irem para o lixo. Daí eu peguei um e guardei-o comigo, mas agora vou doá-lo ao BioBanco da USP”, conta a jornalista.

O coordenador Imparato explica que qualquer dente humano, independentemente do tempo e do modo como foi guardado, pode ser doado a um Banco. “Não há limite de tempo para um dente. A única coisa que chamamos atenção é que um dente de leite, por ser menor e frequentemente não ter raiz, tem maior chance de fraturar do que um dente permanente quando está fora da boca”.

Segundo a tese de doutorado Levantamento dos Bancos de Dentes Humanos dos Cursos de Odontologia no Brasil, existem cerca de 64 bancos do tipo em todo o país vinculados às principais faculdades de odontologia do país, que são mantidos exclusivamente por meio da doação de dentes, já que o comércio do órgão é ilegal.

“É importante lembrar que o dente é um órgão humano como qualquer outro”, explica a professora da Universidade Estadual de Feira de Santana Dayliz Quinto Pereira, coordenadora do Banco de Dentes Humanos da UEFS. “Por isso, pesquisas que envolvem dentes humanos, assim como pesquisas com outros órgãos, só podem ser publicadas em revistas científicas após aprovação do Conselho de Ética e com a autorização legal do doador do dente”.

A remoção, manipulação e doação do dente humano está submetida à Lei 9.434/97, Lei de Transplantes, que dispõe sobre todas as partes do corpo humano utilizadas em transplantes, estudos e tratamentos. De acordo com a Lei, quem remove órgãos e tecidos inclusive após a morte de pessoas de maneira não identificada pode ser condenado à pena de três a oito anos de prisão.

Células-tronco do dente

No Brasil, desde os anos 2000, os dentes humanos também são utilizados em alguns laboratórios que desenvolvem pesquisas com células-tronco da polpa dentária. É o caso do BDH da UEFS.

“Nosso BDH tem bolsistas que iniciaram pesquisas sobre as vantagens e desvantagens em utilizar células-tronco encontradas na polpa dos dentes, uma vez que temos uma estrutura física que favorece a retirada e armazenamento das células-tronco dentária”, explica Pereira.

Uma vantagem de se utilizar a célula-tronco da polpa dentária está na facilidade e no procedimento minimamente invasivo em remover dos dentes estas células quando comparada às outras fontes de células-tronco, como o tecido adiposo, cordão umbilical e medula óssea.

Em 2005, a professora do Instituto de Biociência da USP Maria Rita dos Santos e Passos-Bueno, começou a desenvolver as primeiras pesquisas brasileiras em células-tronco retiradas dos dentes de leite.

“Os objetivos iniciais eram avaliar o uso das células-tronco dos dentes de leite para reconstrução óssea do tecido craniano”, afirma Passos-Bueno, explicando que foi comprovado nos primeiros estudos que essas células eram capazes de acelerar o processo de regeneração óssea do crânio.

Atualmente, as células-tronco da polpa dentária têm sido usadas nos estudos sobre doenças genéticas como fissuras lábio-palatinas (FLP) e autismo.

“A partir das células-tronco da polpa dentária, buscamos novos caminhos para a compreensão de doenças genéticas”, explica a pesquisadora. “Em relação às fissuras lábio-palatinas, descobrimos que o mau funcionamento de genes de reparo de DNA, como BRCA1, pode contribuir para o nascimento de uma criança com FLP. Já em autismo, o uso dessas células foi importante para demonstrarmos a associação de um novo gene, o TRPC6, ao autismo”.

Quando questionada se um dia será possível que células-tronco retiradas do dente de leite sejam armazenadas para que, no futuro, seu próprio dono use-as para tratar uma doença ou lesão craniofacial grave, Passos-Bueno é otimista. “Sim, é possível, mas ainda não temos como predizer, principalmente porque não temos bancos de células-tronco de não doadores-específicos”, afirma a pesquisadora, se referindo à possibilidade de, no futuro, cada pessoa poder ter um banco formado por suas próprias células-tronco e para uso próprio.

De volta à professora Tamiris, ela comprou uma caixinha para guardar os dentes de leite do filho de cinco anos. “Vou doar, com os próximos que cairão, para a Faculdade de Odontologia da UFRJ, igual fiz dez anos atrás com meu próprio dente”, conta ela, que mesmo assim não conseguiu se esquivar da “fada do dente”.

“Expliquei ao meu filho que doaríamos o dente, mas um dia ele chegou da escola falando que um amigo havia contado sobre a fada do dente. Eu deixei ele colocar o dente por uma noite embaixo do travesseiro dele, deixei um dinheiro ali, como diz a história, mas, no dia seguinte, voltei a guardar o dente na caixinha.”

Como doar dentes

Interessados em doar dentes de leite para a campanha O Endereço da Fada do Dente da USP, é preciso acessar o site www.enderecodafadadodente.com.br e preencher um formulário com nome e endereço. Os doadores receberão em casa uma carta, já selada, pronta para a doação dos dentes, e um termo de autorização obrigatório, que deve ser assinado e enviado junto com o dente.

“Mas também precisamos de dentes permanentes constantemente”, lembra o coordenador do BHD da USP, José Carlos Imparato. No caso de doação de dentes permanentes, eles devem ser levados pessoalmente na Faculdade de Odontologia da USP, no endereço Av. Prof. Lineu Prestes, 2227 – Butantã, São Paulo – SP, 05508-000, entre as 14h e 17h.

Para doar dentes para o BDH da UEFS, é preciso ir pessoalmente no endereço Av. Transnordestina, S/N – Bairro Novo Horizonte Feira de Santana, Bahia – CEP: 44.036-900.

Os dentes devem estar em embalagem plástica ou em recipiente fechado com água de torneira. Todos os tipos de dentes, assim como em qualquer estado e tempo de conservação, podem ser doados.(BBC)



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: