Concessão do Centro de Convenções de Salvador é apresentado a investidores

Depois de São Paulo, foi a vez de empresários, investidores, consultores e agentes financeiros na capital baiana conhecerem o estudo de viabilidade econômica para concessão do novo Centro de Convenções de Salvador. O evento foi realizado nesta quarta-feira (24), no Wish Hotel da Bahia, no Campo Grande, com as presenças do prefeito ACM Neto, do secretário municipal de Cultura e Turismo (Secult), Cláudio Tinoco, e demais autoridades municipais. A intenção é atrair grandes investidores com experiência na gestão de equipamentos similares.

O prefeito afirmou que o projeto do Centro de Convenções foi construído a partir de dois pilares: qualidade do equipamento e gestão pela iniciativa privada, que possui mais experiência neste tipo de ação do que a Prefeitura. “A ideia nossa é atrair a iniciativa privada para explorar essa concessão. A empresa ou consórcio vai participar de investimentos para o Centro de Convenções, a exemplo de implantação de equipamentos, e depois vai ter a responsabilidade pela gestão da estrutura”.

Ele completou ainda que a gestão privada do Centro de Convenções deve ser de alta qualidade, para que a cidade tenha um equipamento competitivo e, finalmente, resolver um problema histórico de não ter este tipo de estrutura para eventos. “Essa situação vem trazendo prejuízo de R$2 bilhões ao trade pela falta do turismo de negócios na cidade”, disse ACM Neto.

Funcionamento – De acordo com o secretário Cláudio Tinoco, o investimento da iniciativa privada no Centro de Convenções de Salvador está estimado em R$25 milhões, representado por uma outorga inicial pelo uso do equipamento durante 25 anos, em torno de R$10 milhões iniciais, mais uma outra variável de 5% da receita bruta da instalação, a partir do sexto ano da concessão. Será exigido também investimento nas instalações, equipamentos e mobiliário, que gira em torno de R$14 milhões. Os recursos privados, além de auxiliar na funcionalidade do centro, também serão revertidos para a Prefeitura após o prazo de concessão, que é de 25 anos.

“É uma forma que temos de garantir recursos privados, associado ao esforço que Prefeitura fez de alocar recursos na construção, totalizando um investimento de R$130 milhões. O estudo de viabilidade apresenta também a taxa de retorno que a iniciativa privada vai ter, demonstrando a viabilidade econômica e financeira para que esses operadores tenham, de fato, a atratividade e motivação para operar o Centro de Convenções“, afirmou Tinoco.

O titular da Secult ressaltou ainda que o edital de concessão deve ser lançado para consulta pública no próximo mês e a versão definitiva, em dezembro. Isso deverá permitir que a empresa operadora seja contratada até abril de 2019, seis meses antes do prazo de término da construção do Centro de Convenções. Através do trabalho realizado em parceria com o trade, através da Salvador Destination, cerca de 30 eventos de médio e longo porte já estão comprometidos para o novo equipamento da capital baiana.

Eventos e negócios – Com obras já iniciadas, a previsão é que o Centro de Convenções de Salvador esteja concluído em setembro de 2019, na orla da Boca do Rio. Com investimento de R$105,2 milhões, o novo empreendimento vai reposicionar a capital baiana entre os mais atrativos polos de turismo de eventos e negócios do Brasil. O antigo equipamento, que era administrado pelo governo do estado, fechou definitivamente há dois anos, após desabamento parcial e abandono. A Prefeitura decidiu assumir a responsabilidade para recuperar o tempo perdido.

SECOM



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: