Casa do Benin celebra 30 anos com intensa programação na Flipelô

Propaganda
Com uma programação robusta, a Casa do Benin participa pela segunda vez da Festa Literária Internacional do Pelourinho (Flipelô), e dá início às atividades com uma roda de capoeira para praticantes e admiradores da luta. Até domingo, último dia da festa literária, a casa vai ofertar ainda atrações voltadas para a literatura, culinária, música entre outras manifestações artísticas.
Para titular da Gerência de Equipamentos Culturais da Fundação Gregório de Mattos (FGM), Chicco Assis, a programação da casa durante a Flipelô representa não só o fortalecimento cultural da cidade, mas também celebra três décadas de existência do local. “A Casa do Benin está completando 30 anos e é o momento do espaço, que está no coração do Centro Histórico, de celebrar participando de maneira mais ativa da vida do centro. Essa parceria com a Flipelô demonstra um movimento de fortalecimento e valorização muito importante para as relações afrodiaspóricas de Salvador, trazendo temas fortes como a literatura negra e periférica e reforçando movimentos culturais de negritude que tem acontecido com tanta força”, reforçou o gestor.
Assis adiantou que, para comemorar os 30 anos da Casa do Benin, a gerência está dialogando com a Fundação Pierre Verger, que também festeja em 2018 três décadas de funcionamento, para a montagem de uma exposição em homenagem ao antropólogo Verger e a arquiteta Lina Bo Bardi – personagens que tiveram participação crucial na história de ambos os espaços culturais.
Destaques culturais – Nos quatro dias de programação, o acervo da Casa do Benin, com obras coletadas por Pierre Verger em expedições à África, estará aberto à visitação sempre das 10h às 17h.
Nesta sexta-feira (10), às 19h, as editoras Organismo e Segundo Selo realizam a primeira roda de conversas sobre Literatura Negra Contemporânea e Processos Criativos, coordenada por Silvânia Carvalho e que contará a participação dos autores baianos Davi Nunes, Vânia Melo e Alex Simões.
No sábado e no domingo (11 e 12), das 10h às 17h, acontecerá no Pátio da Casa do Benin, a PeriFeirAfro Literária – movimento que tem a proposta de expor e comercializar de livros e produtos afins, além de promover sessões de autógrafos de escritores e escritoras negras e da periferia. As editoras baianas Organismo, Segundo Selo, Galinha Pulando e da carioca Malê participarão da ação.
Como parte da programação do sábado ocorre também o Ajeum Lítero-Sonoro, com a chef Angélica Moreira e seu Ajeum da Diáspora,  apresentando e servindo um suculento cozido, acompanhado de entradas e de batidas preparadas com coco, tamarindo e maracujá e batizadas de Fufu, Dedeu e Jajá. O almoço será servido ao som de Música Preta Preriférica, set list especial que será discotecado pelo DJ Gug Pinheiro.
Já no domingo (12), além da PeriFeirAfro, será a vez do poeta Nelson Maca e seu Candomblacksia capitanearem a “Ocupação Dia Preto, se preto ele for!”. A partir das 11h, acontece mais um Ajeum Lítero-Sonoro e, para este dia, a chef Angélica promete servir um dos pratos mais cobiçados no Ajeum da Diáspora, o Efó, que poderá ser acompanhado de peixe ou frango.
Programação:
*Dia 10 (Sexta)
10 às 17h – Visitação à Exposição Permanente do Acervo da Casa do Benin
19h – Roda de Conversas: Literatura Negra Contemporânea e Processos Criativos – Roda de Conversas coordenada por  Silvânia Carvalho, com a participação dos autores: Davi Nunes, Vânia Melo e Alex Simões. Organizado pelas editoras Organismo e Segundo Selo.
*Dia 11 (Sábado)
10 às 17h – Visitação à Exposição Permanente do Acervo da Casa do Benin e PeriFeirAfro Literária – Exposição e venda de livros e produtos afins, com sessão de autógrafos de escritores e escritoras da periferia. Editoras convidadas: Organismo, Segundo Selo, Malê, Galinha Pulando e outras.
A partir de 11h – Ajeum Lítero-Sonoro – A chef Angélica Moreira e seu Ajeum da Diáspora – apresenta e serve o prato do dia: Cozido. DJ Gug Pinheiro discoteca Música Periférica Brasileira
A partir de 13h – Ocupação Poéticas Periféricas – organizada por Valdeck Almeida e pela Editora Galinha Pulando
13h – Sarau e lançamento do livro Poéticas Periféricas: A nova voz da poesia Soteropolitana, com a participação de poetas da coletânea.
14h – Roda de Conversas: A Poesia Periférica no Centro da Literatura Sorteropolitana, com a participação dos poetas Gisele Soares, Sandro Sussuarana, Samuel Lima, Luz Preta Marques, Fabrícia de Jesus e Rilton Júnior.
15h – Encontro de Saraus – Roda poética com representantes de importantes saraus e coletivos poéticos da cidade – Sarau Bem Black, Sarau da Onça, Sarau do Cabrito, Sarau do JACA, Sarau da Raça, Sarau Bairro da Paz Vive e Coletivo Pé Descalço.
*Dia 12 (Domingo)
10 às 17h – Visitação à Exposição Permanente do Acervo da Casa do Benin e PeriFeirAfro Literária – Exposição e venda de livros e produtos afins, com sessão de autógrafos de escritores e escritoras da periferia. Editoras convidadas: Organismo, Segundo Selo, Malê, Galinha Pulando e outras.
A partir de 11h – Ajeum Lítero-Sonoro – A chef Angélica Moreira e seu Ajeum da Diáspora – apresenta e serve o prato do dia: Efó, com peixe ou com frango. DJ Gug Pinheiro discoteca Música Preta Brasileira
13h – CandomBlackesia: Axé e Poesia na Batida – Performance afro-poética e musical com Nelson Maca & Afro-Power-Trio: Dj Gug, João Teoria e Mestre Jorjão Bafafé e convidados: Alexandra Pessoa, Lee27, Vera Lopes e Netas de Francisca: Lucia Santos e Luiza Gonçalves
14h – Letras e Vozes de Mulheres Negras – Vera Lopes e Emile Lapa apresentam performance com diálogo entre poemas de Carolina Maria de Jesus e Conceição Evaristo
15h – Roda de Conversas: Escrita Atual da Bahia Preta – Roda de conversa com escritores e escritoras que participam da PeriFeirAfro Literária
16h – Free Pelô: Slam dos Slans – Slam de poesia com representação de slams pioneiros de Salvador – Slam da Onça, Slam Lonan, Slam das Minas e Slam da Raça.
SECOM 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: