O copo está meio cheio ou meio vazio? Você escolhe

Propaganda

“Você deveria enxergar que o copo está meio cheio!” ou “Você sempre vê o copo meio vazio!”. Sim, neste artigo vamos mergulhar a fundo nessa expressão popular. Dessa forma, se nos colocarmos nos bastidores dessa frase, vamos ganhar um incentivo e uma oportunidade de mudar nosso ponto de vista. Seria legal, não?

Nesse sentido, a Psicologia Positiva quer estudar e explicar como o funcionamento ideal humano tenta promover o bem-estar e a saúde em diferentes contextos adversos. E tem mais, ao tratar do ponto de vista da Psicologia Positiva, são incluídas variáveis como a saúde, o bem-estar e a prevenção de doenças mentais e físicas. Essa vertente surgiu no final do século XX pelas mãos de Martin Seligman, ex-diretor da Associação Americana de Psicólogos, juntamente com outros profissionais.

Mude o seu ponto de vista! Aposte no copo meio cheio
É você quem mais tem poder sobre si mesmo. É você quem tem o controle sobre seus comportamentos e, principalmente, sobre seus pensamentos. Sendo essa uma realidade que conseguimos reconhecer, por vezes o mais simples é se deixar levar pelo primeiro pensamento que nos vem à cabeça e que vai exatamente no sentido oposto.

Esses tipos de pensamentos, negativos devido ao efeito que produzem, podem ser motivados pelo cansaço da jornada de trabalho, por problemas em casa e/ou preocupações pessoais… No entanto, precisamos aprender a ignorar os pensamentos negativos, em vez de permitir que nos guiem em direção ao precipício. Um lugar similar ao cemitério dos elefantes, onde se reproduzem os que são como ele.

E se, em vez de olharmos para o negativo, olharmos para o que é positivo? E se em vez de ver o copo meio vazio, começarmos a vê-lo meio cheio? Colocar-se do outro lado é muito mais simples do que as pessoas acreditam. Logo que você produzir o primeiro pensamento positivo e o aceitar como guia, ele vai conduzir você, inevitavelmente, ao outro lado, completamente diferente do cemitério dos elefantes sobre o qual falamos anteriormente, um lugar onde você vai encontrar mais pensamentos da mesma natureza.

Esses pensamentos vão alimentar uns aos outros, garantindo pela própria inércia a sua sobrevivência.

O semáforo no vermelho
Por exemplo, feche os olhos e imagine essa situação…quando você está dirigindo para casa, aquele semáforo sempre está vermelho. Sempre está vermelho na sua vez de passar. Como se alguém tivesse decidido irritar você! (O que implica que você vai chegar mais tarde em casa. Você já está cansado do trabalho e ainda por cima está sozinho no carro…).

Um dia você volta para casa na companhia de um amigo. Quando você está chegando perto do semáforo, começa a falar, “Outra vez o semáforo vermelho, não sei como consigo fazer isso, mas sempre que passo aqui é assim!”. Nesse momento, seu amigo esboça um sorriso e diz: “Eu adorei que esse semáforo esteja vermelho!

Você só olha o que está na sua frente, o semáforo vermelho. Mas, se olhasse para o lado, veria um mar e um entardecer maravilhosos”. Nesse momento, você percebe que no mesmo caminho, cada pessoa pode estar prestando atenção em elementos completamente distintos e, sobretudo, oferecendo uma percepção diferente. Um mesmo semáforo para uma pessoa pode ser fonte de estresse, cansaço, queixas… para outra é a oportunidade para parar no caminho e aproveitar alguns segundos para ver o mar ou a paisagem, inclusive, na companhia do programa de rádio que toca ao fundo.

Aí está a pessoa que vê o copo meio cheio. Simplesmente vendo um pouco mais além do que temos na nossa frente. Simplesmente aproveitando onde estamos e como estamos, em vez de antecipar como o presente pode condicionar de maneira negativa o futuro. ( A Mente Maravilhosa)



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: