Brincar, jogar, dançar: como se movimentar pode ajudar a saúde

Propaganda

Realizar uma prática corporal de forma regular gera benefícios que vem desde o convívio social até a melhora da saúde, influenciando positivamente na qualidade de vida e sensação de bem-estar da população.

“Podemos destacar: a melhora da autoestima, redução do isolamento social, alívio do estresse, diminuição da depressão, melhora da autoimagem, aumento do bem-estar físico e mental e melhora da função pulmonar, dentre outros. Uma vez incorporadas à rotina diária dos indivíduos, as práticas corporais também promovem o aumento da condição de saúde”, explica a diretora de Promoção à Saúde da Secretaria de Saúde de Minas Gerais, Daniela Souzalima Campos.

A importância é tanta que a pasta aproveitou a celebração dos dias Mundial da Atividade Física (6/4) e da Saúde (7/4) e lançou a campanha campanha Vida Saudável 2018 com o lema: “Brincar, jogar, dançar e se divertir faz bem para a saúde. Exercite a sua saúde, movimente-se!” A proposta é mostrar para a população que atividades prazerosas ou culturais podem ser uma oportunidade para se exercitar.

“Brincar, jogar e dançar sempre estiveram presentes na cultura dos povos, portanto são atos indispensáveis à saúde física, emocional e intelectual”, explica Daniela.

“Entendemos como Atividade Física todo e qualquer movimento corporal produzido pela musculatura que resulte num gasto de energia acima do nível de repouso. Através dos jogos e brincadeiras, as crianças desenvolvem a linguagem, o pensamento, a socialização, a iniciativa e a autoestima. Enquanto os adultos se beneficiam, uma vez que essas atividades estão ligadas à capacidade de imaginar, muito importantes para o equilíbrio mental”, explica.

Mas a práticas corporais devem ser trabalhadas considerando as preferências, e necessidades de cada um. A diretora cita o programa Academia da Saúde, do SUS, como exemplo que busca propor ações para todos os ciclos da vida, com ações que integrem as pessoas na construção da saúde por meio de trocas intergeracionais. “O profissional deve lembrar-se que não existe um exercício ideal, mas sim práticas que produzirão maiores benesses para a saúde da população por estarem em consonância com a realidade e necessidade local”.

Intensidade moderada 

A campanha criada em Minas Gerais ainda busca conscientizar profissionais de saúde e a população sobre a importância de se dedicar pelo menos 30 minutos de atividade física de intensidade moderada no momento de lazer das pessoas. Prática que pode reduzir o risco de doenças cardiovasculares e a incidência de Doenças Crônicas Não Transmissíveis – doenças do aparelho circulatório, neoplasias, doenças do aparelho circulatório, diabetes mellitus, doença pulmonar obstrutiva crônica, insuficiência renal crônica.

A prática regular de atividade física tem recomendações específicas para cada uma das faixas de idade. De acordo com o American College of Sports Medicine (ACSM), para ser considerada como fator de proteção à saúde, o nível indicado para adultos e idosos é a realização atividades aeróbicas de intensidade moderada por pelo menos 30 minutos, 5 dias por semana ou intensas (vigorosas) por, no mínimo 20 minutos, 3 vezes por semana.

Para crianças e adolescentes a recomendação é de que a realização de atividade física moderada ou intensa por no mínimo, 60 minutos, no mínimo 5 dias por semana. A noção sobre a intensidade depende da capacidade física e do condicionamento da pessoa. Para entender: durante uma atividade moderada a pessoa deve conseguir conversar, enquanto em uma atividade intenso é mais complicado falar frases inteiras e é necessário tomar fôlego para continuar.(Blog Saúde)



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: