Salvador registra mais de 1,8 mil infrações por estacionamento irregular em ciclovia

Andar de bicicleta traz diversos benefícios à saúde, além de possibilitar ao ciclista uma viagem tranquila, evitando congestionamentos e contribuindo para redução de gás carbônico (CO2) na atmosfera. No entanto, há motoristas que ainda insistem em cometer infrações graves como estacionar em ciclovias, bloqueando a passagem do ciclista e forçando-o a se arriscar a dividir espaço com veículos de pequeno e grande porte.

De acordo com a Superintendência de Trânsito de Salvador (Transalvador), 1.859 veículos foram notificados no ano passado por estacionarem em ciclovias – área que é exclusiva para o uso de bicicletas – na capital baiana. Apenas no início deste ano, mais 285 infrações semelhantes já foram identificadas pelos agentes de trânsito do município. Cada infrator identificado pelo órgão é multado no valor de R$195,23, como forma de estimular o respeito à sinalização e ao cidadão.

O local com maior número de registros de infrações por estacionamento irregular em ciclovia é a região do Aeroporto de Salvador. Em 2017 foram 1.112 autuações neste local e em 2018 já foram registradas mais 165. Outras áreas com alto número de infrações deste tipo são as avenidas Thomaz Gonzaga (Pernambués), Porto dos Mastros (Cidade Baixa) e Antônio Carlos Magalhães (ACM).

Diferenças e penalidades – De acordo com o Código Brasileiro de Trânsito (CTB), a ciclovia é uma pista própria destinada à circulação de bicicletas, separada fisicamente do tráfego comum. Já a ciclofaixa é uma parte da pista de rolamento destinada à circulação exclusiva de bicicletas, delimitada por sinalização específica. No artigo 181, inciso VIII, quem estaciona sobre ciclovia ou ciclofaixa comete infração grave, receberá multa R$195,23, cinco pontos na carteira de habilitação e terá o veículo removido.

Estrutura e balanço – Em 2018, existem em Salvador 203 km de ciclovias, ciclofaixas e ciclorrotas (trajetos orientados para ciclistas). Para incentivar o uso dos espaços e da bicicleta como mecanismo de transporte e lazer, a Prefeitura dispõe de 40 estações de compartilhamento de bicicletas através do programa Bike Salvador, em parceria com o Movimento Salvador Vai de Bike. Além disso, soteropolitanos ainda contam com as famosas bicicletas “azuizinhas”, alugadas por valor simbólico nas ciclofaixas de lazer instaladas em pontos específicos da cidade nos fins de semana.

Desde o início do programa, já foram realizadas 811.283 mil viagens com as bicicletas de compartilhamento “laranjinhas”. Através deste resultado, foi evitado o envio de pouco mais de 292 toneladas de carbono no meio ambiente. As bicicletas são o veículo ecologicamente mais sustentável do planeta, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU).

SECOM



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: