Entenda por que os gastos do governo Trump ficaram paralisados

O governo dos Estados Unidos começou a paralisar uma série de serviços públicos depois que o Senado não chegou a um acordo sobre o novo orçamento.

A lei para financiar o governo federal até 16 de fevereiro não obteve os 60 votos necessários para ser aprovada, em meio a uma disputa sobre questões como imigração e segurança nas fronteiras.

É a primeira paralisação a ocorrer com o mesmo partido, no caso, o Republicano, no controle do Congresso e da Casa Branca. A última havia sido em 2013 e durou 16 dias.

O impasse afetará centenas de milhares de funcionários federais e vem gerando muitas trocas de acusações.

O governo disse que democratas “[colocam] a política acima da segurança nacional, das famílias de militares, de crianças em situação de vulnerabilidade e a capacidade do país de servir a todos os cidadãos”.

Mas o líder democrata no Senado, Chuck Schumer, afirmou que o presidente Donald Trump rejeitou dois acordos entre os partidos e que ele “não pressionou os membros de seu partido no Congresso”.

A paralisação começa no aniversário de um ano da posse de Trump, que adiou sua viagem a um resort na Flórida, onde está prevista uma festa para celebrar a ocasião.

O que significa a paralisação do governo americano?What is a government shutdown?

A partir de 0h01 deste sábado (horário local), muitas agências federais pararam de funcionar, ainda que serviços essenciais tenham sido mantidos.

A maioria dos funcionários dos departamentos de Habitação, Meio Ambiente, Educação e Comércio ficarão em casa. Metade da equipe do Tesouro, da Saúde, da Defesa e do Transporte também não trabalharão na segunda-feira.

Parques nacionais e monumentos podem fechar, algo que ocorreu em 2013 e levou os cidadãos a fazerem duras críticas ao governo na época. O processamento de vistos e passaportes pode sofrer atrasos.

Mas serviços que protegem “a vida ou propriedades” não serão afetados, como segurança nacional, correios, controle de tráfego aéreo, atenção médica, auxílio em caso de desastres, prisões, tributação e geração elétrica.


Essa pode ser uma briga feia e longa

O jogo acabou com uma colisão forntal.

Os republicanos querem atribuir a culpa da paralisação a Chuck Shumer e, no fundo, eles têm razão. O senador e seus colegas democratas, com a ajuda de alguns republicanos, impediram a aprovação da lei que manteria o governo funcionando, ao menos temporariamente.

Apontar quem tem culpa ou de quem é a responsabilidade são, no entanto, duas coisas diferentes.

Os democratas dirão que tinham um acordo com o presidente, com concessões feitas por ambos os partidos, que incluía a reforma da imigração, mas que ele deu para trás.

Republicanos afirmarão que tudo isso se deve a liberais colocando a proteção de imigrantes ilegais acima da preservação da capacidade militar do país e da saúde de crianças pobres.

Este jogo de empurra ainda não tem um vencedor. Geralmente, o perdedor neste tipo de confronto é o partido que entra na disputa sendo o menos popular, uma má notícia para Trump e os republicanos.

Agora que uma linha foi ultrapassada, esta pode se tornar uma briga feia e longa.

Por que os dois lados não chegaram a um acordo?

O principal ponto de discórdia tem sido a exigência de democratas que os mais de 700 mil imigrantes ilegais que chegaram ao país quando eram crianças, os dreamers, sejam protegidos da deportação.

Estas pessoas receberam uma proteção temporária com um programa criado pelo então presidente Barack Obama em 2012. Em setembro passado, Trump anunciou que o encerraria e deu até março para o Congresso elaborar um substituto.

O presidente e congressistas conservadores têm usado essa questão para barganhar e obter concessões dos democratas. Trump quer fundos para novos controles nas fronteiras, incluindo o muro que propôs erguer na fronteira com o México.

Os republicanos incluiram na lei uma extensão por seis anos do programa de seguro de sáude para crianças de famílias pobres para convencer os democratas a aprová-la. Mas os democratas querem que isso seja uma política permanente.

As negociações no Legislativo fracassaram após, na semana passada, Trump supostamente ter reclamado que os Estados Unido estavam deixando entrar imigrantes de “países de m…”.

E agora?

Apesar de culparem uns aos outros, líderes republicanos e democratas disseram que continuarão a negociar ao longo do final de semana.

Mick Mulvaney, chefe de Administração e Orçamento do governo, afirmou haver “uma boa chance” de que o assunto se resolva antes de segunda-feira.

Mas a Casa Branca endureceu sua posição após o impasse, tuitando que “não negociará o status de imigrantes ilegais enquanto democratas mantêm os cidadãos reféns com suas demandas irresponsáveis”.

No entanto, com as eleições de novembro no país, nenhum dos partidos quer ser considerado o responsável pela paralisação do governo.

O que aconteceu na paralisação de 2013?

Muitos funcionários federais foram forçados a tirar uma licença nos 16 dias em que o governo ficou parado.

No auge, cerca de 850 mil funcionários ficaram sem trabalhar. Isso custou US$ 2 bilhões (R$ 6,4 bilhões) ao governo em perda de produtividade e levou a “efeitos negativos significativos na economia”, disse o governo na época.

Trump foi entrevistado sobre isso em 2013 e culpou Obama pela paralisação: “Os problemas começam no topo e precisam ser resolvidos no topo. O presidente é o líder, e ele precisa colocar todo mundo em uma sala e liderar”.(BBC)



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: