Trabalhadores protestam contra reforma da Previdência em Salvador

Propaganda

Ato é promovido por professores da rede pública e privada - Foto: Divulgação | APLB
Professores e trabalhadores de outras categorias protestam na avenida ACM nesta quarta-feira, 15, contra a reforma da Previdência. O movimento foi convocado por docentes e empresários da educação, mas o Dia Nacional de Luta teve a adesão de outros setores.
Contudo, a maior parte do público é formado por professores das redes pública e privada. A movimentação de alunos, funcionários e veículos, tão comuns no cotidiano da cidade, está paralisada nesta manhã nas imediações das escolas da capital baiana, devido à adesão dos professores à greve geral contra as mudanças na Previdência.
Escolas como o Colégio Anchieta, no Caminho das Árvores, amanheceram fechadas dando um tom de feriado ao dia. “São mais de mil alunos que chegam à escola todos os dias aqui no Anchieta. A única coisa que tem pra fazer é regar a grama”, disse um dos seguranças.

Outras categorias
Portando bandeiras das centrais sindicais e repetindo o slogan “fora Temer”, dezenas de manifestantes fecharam as pistas na região do Iguatemi na manhã desta quarta-feira, 15.
Representações das centrais sindicais de cidades do interior se deslocaram à capital baiana par engrossar o movimento. Diretores de vários sindicatos fazem pronunciamentos em cima de um carro de som.
O ato acontece nas imediações do Shopping da Bahia e deixa o trânsito congestionado na ACM, Bonocô, Juracy Magalhães, Itaigara e Rótula do Abacaxi.


Serviços parados
Além dos profissionais da área de educação, quem também adere ao movimento é o Sindicato dos Bancários da Bahia, paralisando as atividades até as 12h. O Sindicato dos Trabalhadores em Saúde da Bahia (Sindsaúde) também suspendeu os serviçoes ambulatoriais e administrativos.
Às 15h, a manifestação será no Campo Grande, onde os professores sairão em caminhada até a Praça Castro Alves. A paralisação dos profissionais da rede pública municipal e estadual de ensino deve durar dez dias.(A Tarde)



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: