PERIGO!

Alex Ferraz
Os dados são da Anvisa: em 2011, foram apreendidos em todo o País nada menos que 850 mil medicamentos falsificados, à venda em lojas de conveniência, supermercados e, pasmem, até nas farmácias. Um perigo para a saúde, já que significa o paciente não ter se medicado.
 
Eleitos para legislar, submetem-se ao executivo
 
Oportuno – e inteligentíssimo, como sempre – o comentário de ontem do jornalista Alexandre Garcia, no Bom Dia Brasil (Globo), a respeito de parlamentares que, eleitos pelo voto popular, traem seus eleitores ao trocarem o Legislativo pelo Executivo, mantendo seu mandato. O jornalista enumerou: atualmente, três senadores e 10 deputados estão a serviço do governo que deveriam fiscalizar, por assim dizer.
O caso mais recente é o do Ministério das Cidades, de onde sai o deputado federal baiano Mário Negromonte (PP), substituído pelo também deputado federal Agnaldo Ribeiro, do mesmo partido, partido este, aliás, que parece ser o dono da pasta.
Realmente, trata-se de uma situação sui generis, embora permitida pela Constituição, que nos seus milhares de artigos forma um emaranhado de regras confusas, propositalmente, a fim de que tudo possa ser “legalmente” feito em nome do oportunismo político.
Um parlamentar, teoricamente, é eleito para fazer leis e analisar leis propostas pelo Executivo. Ninguém vota para colocar alguém a serviço do Executivo. Desta forma, o ético seria o deputado ou senador que troca de poder perder o mandato. Melhor dizendo, renunciar.
Garcia citou um exemplo definitivo: na maior democracia do mundo, os Estados Unidos, a ex-senadora Hillary Clinton renunciou para aceitar o convite de Barack Obama e ocupar o cargo de secretária de Estado.
Mas na nossa esdrúxula democracia, parlamentares praticamente ocupam as duas funções, contraditoriamente, ao mesmo tempo, pois mesmo se tornando servidores do Executivo jamais abandonam de verdade suas atividades parlamentares (notadamente as de bastidores, claro). E quem deixa o cargo de ministro, por exemplo, está com retorno garantido para o plenário. Um vai e vem politicamente promíscuo, com certeza.
 
Um negócio
muito seguro 
Defino o seguro como um negócio de risco que faz tudo para não correr qualquer risco.
Quem não conhece alguém que já foi ludibriado por regras subliminares, ou dúbias, ao precisar da cobertura de um seguro?
Mais um exemplo esdrúxulo vem agora do Rio de Janeiro, onde, pasmem, o seguro dos prédios que ruíram não cobria…Desabamento!
 
Estado
lastimável
O banheiro da Estação Pirajá é uma podridão só. Quem me relata, chocado, é um amigo que acaba de retornar de São Paulo, mais precisamente Campinas.
O cidadão ficou por lá dois anos e acabou se acostumando com civilidade…
 
 
Frase:
A política é a arte de captar em proveito próprio a paixão dos outros.
(Henri Millon de Montherlant, 1876-1972, escritor, ensaísta e romancista francês)
 
É um golpe
militar (I) 
Em Feira de Santana, os PMs invadiram a Câmara Municipal, colocaram os vereadores para correr e tomaram conta do recinto.
Em Salvador, como já se sabe, a invasão foi à Assembleia Legislativa, mas pouparam os deputados, que puderam continuar lá.
Não são cenas clássicas de um golpe militar?
 
É um golpe
militar (II)
É mais uma prova irrefutável de que, no frigir dos ovos, o poder está com quem tem as armas na mão.
E ponto final. 
 
Mostrando quem
não somos 
Cervejinha gelada nos estádios, cidades limpas, com bom transporte, preços “populares”  nos bares e restaurantes dos caríssimos aeroportos das cidades-sede, êita!
Esta Copa do Mundo vai montar um belo cenário para mostrar ao mundo um país que não somos, in totum.
Na verdade, essas ilhas de civilidade vão ruir e o que sobrar será para poucos. Quanto às cidades que não sediarão jogos, prosseguem ao Deus dará. É isso aí.
 
Não tô
comendo nada 
Assino embaixo da análise a seguir, feita por um leitor assíduo desta coluna: “O Big Brother da Globo confina gente de profissões e tribos diferentes para armar o conflito. E as festas com bebidas alcoólicas são um convite para fofocas, namoro e sexo. Quem participa desse matadouro está para o que der e vier em busca de fama sem talento e dinheiro (sem esforço, acrescento eu). Esse negócio de estupro foi pura balela, porque o programa, em si, já é um estupro ao bom senso e à inteligência.
 
1 ENSINO – A Secretaria Municipal do Trabalho, Assistência Social e Direitos do Cidadão (Setad) deu início na quarta-feira (1º) à pré-matrícula do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), que tem como objetivo ampliar as possibilidades de inserção no mercado de trabalho por meio da formação e qualificação profissional. A pré-matrícula vai até o dia 15 deste mês, de segunda a sexta-feira, das 8 às 12 horas e das 13 às 17 horas. 
2 ENGENHARIA – Lançado este ano, o curso de pós-graduação em Engenharia de Segurança do Trabalho da Faculdade ÁREA1 está com inscrições abertas para engenheiros e arquitetos. A novidade é destinada aos profissionais que desejam desenvolver competências para implantação de programas de segurança, cumprimento da legislação, acompanhamento de indicadores e prevenção a acidentes.
3 RURAL – A Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater), que atende à agricultura familiar da Bahia – estado que tem o maior número de agricultores familiares do país, mais de 665 mil –, está sendo debatida nas conferências territoriais que começaram em 2 de janeiro e prosseguem até 29 deste mês. As conferências são preparatórias para o primeiro grande debate estadual sobre o tema, na 1ª Conferência Estadual sobre Assistência Técnica e Extensão Rural (Ceater), marcada para 14 a 16 de março. ( Tribuna)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: